O que é inteligência emocional?

No mundo dos negócios a maioria dos profissionais é contratados por sua capacitação técnica e demitidos por problemas comportamentais.

Na grande maioria dos demitidos foi por falta de sensibilidade de se relacionar por não saber como lidar com outros indivíduos sobre pressão, deixando de alcançar um desempenho profissional esperado.

O desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho pode ser um grande aliado.

O que é inteligência emocional?

A Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar a si mesmo e persistir mediante frustações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns. (Gilberto Vitor)

Com essa definição é possível entender a importância da Inteligência emocional contribuem para que as pessoas aprendam a  lidar com seus medos, inseguranças e insatisfações em prol do êxito nas atividades.

As competências da Inteligência Emocional definem os verdadeiros profissionais, permitindo  desenvolver um ambiente agradável e, ao mesmo tempo alcançando resultados extraordinários.

A maioria dos profissionais tem predisposição racional na hora de tomar suas decisões comprometendo seu agir distanciando  suas conquistas almejadas.

Já inteligência emocional traz o equilíbrio diante das ações, permitindo enxergar a solução em vez do problema. E suas decisões são tomadas baseadas na sabedoria, tranquilidade e discernimentos  agindo em busca dos melhores resultados.

As vantagens na carreira do dia a dia são as rápidas promoções pelos resultados efetivo na equipe e empresa, ampliação do relacionamento, aprendizado com mais facilidade, desenvolvimento da alta performance.

Em seu livro   Daniel Goleman, mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades:

1.Auto-Conhecimento Emocional – reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.
2. Controle Emocional – habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação.
3. Auto-Motivação – dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca.
4. Reconhecimento de emoções em outras pessoas.
5. Habilidade em relacionamentos inter-pessoais.

As três primeiras acima referem-se a Inteligência Intra-Pessoal. As duas últimas, a Inteligência Inter-Pessoal.

Inteligência Inter-Pessoal: é a habilidade de entender outras pessoas: o que as motiva, como trabalham, como trabalhar cooperativamente com elas.

1.Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança, que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo, habilidade de obter do grupo o reconhecimento da liderança, a cooperação espontânea.
2. Negociação de Soluções: o papel do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos.
3. Empatia – Sintonia Pessoal: é a capacidade de, identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas, responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum.
4. Sensibilidade Social: é a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas.

Inteligência Intra-Pessoal: é a mesma habilidade, só que voltada para si mesmo. É a capacidade de formar um modelo verdadeiro e preciso de si mesmo e usá-lo de forma efetiva e construtiva.

Importância das Emoções

Sobrevivência: Nossas emoções foram desenvolvidas naturalmente através de milhões de anos de evolução. Como resultado, nossas emoções possuem o potencial de nos servir como um sofisticado e delicado sistema interno de orientação. Nossas emoções nos alertam quando as necessidades humanas naturais não são encontradas.

Por exemplo, quando nos sentimos sós, nossa necessidade é encontrar outras pessoas.Quando nos sentimos receosos, nossa necessidade é por segurança. Quando nos sentimos rejeitados, nossa necessidade é por aceitação.Importância das Emoções

Tomadas de Decisão: Nossas emoções são uma fonte valiosa da informação. Nossas emoções nos ajudam a tomar decisões. Os estudos mostram que quando as conexões emocionais de uma pessoa estão danificadas no cérebro, ela não pode tomar nem mesmo as decisões simples.

Por que? Porque não sentirá nada sobre suas escolhas.

Ajuste de limites: Quando nos sentimos incomodados com o comportamento de uma pessoa, nossas emoções nos alertam. Se nós aprendermos a confiar em nossas emoções e sensações isto nos ajudará a ajustar nossos limites que são necessários para proteger nossa saúde física e mental.

Comunicação: Nossas emoções ajudam-nos a comunicar com os outros. Nossas expressões faciais, por exemplo, podem demonstrar uma grande quantidade de emoções. Com o olhar, podemos sinalizar que precisamos de ajuda. Se formos também verbalmente hábeis, juntamente com nossas expressões teremos uma possibilidade maior de melhor expressar nossas emoções. Também é necessário que nós sejamos eficazes para escutar e entender os problemas dos outros.

União: Nossas emoções são talvez a maior fonte potencial capaz de unir todos os membros da espécie humana. Claramente, as diferenças religiosas, cultural e política não permitem isto, apesar dar emoções serem “universais”.

Robson Lopes

Robson Lopes é Jornalista,  Master Coach, Mentor e  palestrante com  mais de 4 formações profissionais em coaching com uma imersão de três anos de pesquisas, treinamentos  com os melhores especialistas do desenvolvimento humano e inteligência emocional.

Website: http://www.robsonlopes.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *